New Translator....

Seguidores

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Devoto

Devoto

Tem mulher que salta aos olhos
Tem mulher que brilha e reluz
Mas tem mulher que encanta
E que de longe voa e me seduz
Faz com que a alma se levante
E deixe o corpo para visitar adiante
Essa mulher se mistura a espuma
Que tem olhar azul e boca linda
Escreve com sentimento na pele
E revela o desejo simples não apela
Deixa meu ser com noções básicas
Do tato tão sonhados, os lábios
No ouvido a musicalidade da voz
Na língua o sabor de pimenta salgada
Venho eu em voo de albatroz
E nas mãos as curvas longas e ousadas
Ela ainda pergunta se vou gostar da foto
Como não saborear a imagem, de ti sou devoto
Não largo nenhum centímetro dos fios
Desses cabelos longos e mágicos, ébano
Então abra um sorriso largo e belo
Beije-me na chuva e muito no inverno
Pois minhas caricias são tuas mo eterno

Ulisses Reis®
22/02/2013



Autora

Autora

Falando de sedutora sai do mar a autora
Molhada e majestosa mulher tu és aurora
Dengosa e poesia, lado a lado é avassaladora
E ela continua andando, não quase flutuando
Pois nas ancas escorre o mar inebriante
Sabes que tem não só no corpo, tentação
Mas no olhar é agulha fina injeção
De pura libido e descontração, voa avião
Teu corpo desliza e se enxugar na brisa, violão
Nos poros perfume de sentimento e luxuria
E com a luz do meio dia ilumina ela desfila
Canga na baixa cintura e o umbigo de fora
Quero tua vontade e todo o teu abrigo
Envolvendo meu ser entre tuas coxas de castigo
Pois assim a Deusa que é a autora eu consigo
Deixando-me a cada segundo a ti eu me ligo

Ulisses Reis®
22/02/2013



Madrinha Primax

Madrinha Primax

Na cidade onde a rodovia passa pelo vale
E de manhã as vezes a nevoa esconde
Os verdes cafezais nos morros ao redor
Ela com nome de santa e beleza que encanta
Não se engane pois é mulher inteira e sabedora
Que tem a força da maravilhosa mulher mineira
Me apresentou ao primeiro site de relacionamento
De Portugal e me fez ver e ler poesia de além mar
Por ele tenho carinho especial e verdadeiro
Esse Paulista ama incondicionalmente a amiga
Que também tem meu carinho que é perene
E nas ladeiras do centro onde o comercio ferve
E todos passeiam e trocam olhares sorrateiros
Ela se destaca com um sorriso iluminado
Onde se reserva a poucos e íntimos aliados
E relendo Clarice Lispector vim comer a presença
Pois a saudades e profunda preciso da tua presença
Cercada por Três Pontas, Elói Mendes
Carmo da Cachoeira e Três Corações
Minha Madrinha vive nesta cidade linda

Ulisses Reis®
12/02/2013



Teu feitiço


Teu feitiço

Que tua voz fique mais rouca e de menina
Usando todo teu poder de atriz e inocência
Enfeitando teu corpo como adolescente
Rindo e dizendo que nunca fez o feitiço
Onde transborda em mel a vulva afrodisíaca
Tesão com ares de não sei direito e lúdico
Entre as coxas vulcão e ebulição
Linhas e tuas curvas edificação
Agitando as ancas menina pimenta e sedução
Morde os lábios e diz baixinho assim coração
Besuntando a entrada e beijando a nuca
Entre as roliças e deliciosas pernas eu fuço
Revelando os teus gemidos moça menina
Encanto e batimento cheios de adrenalina
Vislumbrando todos os sabores e apelos
Ocultando os mais diversos medos
Cavalgando as fases e facetas da fantasia
Exibindo a felicidade de sentir o gozo
Sendo na voz safada e delinquente par
Enrolando o corpo no meu suado e quente
Nadando no ar e sentindo eu penetrar
Dissolvendo em palavrões os sentidos
Olhando nas profundezas dos teus desejos
Mergulha na essência da tua louca luxuria
Efervescente da boca e língua só fervura
Nada fica sem se mexer pois é você volúpia
Incentivando os gestos com sons de arfar
Num lugar onde só os músculos sentem
Inicia um movimento devasso e articulado
Nada deixa você quieta pois tu avança
Hoje essa menina vadia vem e me ensina
Alimenta meus versos com a libido
Sublimando cada momento do universo
Unindo a realidade com o nosso destino
Simplesmente uma menina faceira
Anfitriã na cama desvairada e linda
Fazendo de tudo um pouco com o moço
Armando os braços num forte enlace
Degustando os perfumes pela boca
Assistindo o desfecho e sorrindo


Ulisses Reis®
31/01/2013

Para Sú

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Vestido luva


 Vestido luva

Oh menina deixa eu lhe re-desenhar
Com versos insolitos e inspirados
Pois menina tu é Obra no básico
Vestitinho luva é pretinho, mil curvas
Menina tu já é uma feiticeira moça
Que neste ano como nos outros voo
Cada segundo e ao caminhar fascina
É como um mergulho no mel em nuvens
Imagine ceu e dele caindo chuva doce
É você ao passar e falar puro maná
Menina deste ao amanhecer é balsamo
Neste tubinho brilha e desfila eu gamo
Oh menina deixa eu carinhar em poema
Que teu sorriso com batom vermelho vivo
Venha sempre deslumbrante e positivo
Pois tua essência é teu maior poder
Sempre definitivo, mas é furtivo

Ulisses Reis®
06/01/2013

Para Talita

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Alma Perfumada

 Alma Perfumada

Vou deixar um instante se possível a tua deliciosa geografia
Para delinear com prazeres sem meu instinto de Lobo
A mulher que se transforma a cada dia em um ser de luz
Carregando na essência um brilho tal que de longe
Me energiza com a positividade de Mulher Madura inteira
Ainda terei como manjar e balsamo a companhia também da alma
Que perfumada e emanando calor e muita sabedoria
Degustara comigo no calor a beira da piscina vinho branco
E nos lábios carmim de um luxuriante batom vocábulos
E o sotaque de Musa Curvilineá do Planalto
E do alto do salto agulha e andar de felina, sorrindo
E me deixando mais inspirado nos olhos fixo poemas
Ali mesmo escritos já se vão anos e me falta ouvir novamente
A voz doce e com jeito de loba alfa, no meu ouvido dizendo
Tudo que queres, tudo que sonhares e tuas fantasias realizar
Pois do ser humano belo e harmonioso, és o centro da atenção
Que lhe dedico como se fosse uma canção e somente uma seria
A que te representaria com a exata forma que te sinto
Samba em Preludio, diz tudo e nada fica a desejar, só o desejo
Meu, de olhar-te ao vivo e com a a pupila de fotografar
Mas também saber contigo usar todos os sentidos

Ulisses Reis®
05/01/13

Para Edi Musa do Planalto

Suave menina

Suave menina

Seus contornos suaves e curvilíneos
Ungindo os meus sentidos acrósticos
Sendo você a referencia dos contextos
Iluminando com sorriso e lábios
Num sabor único de beijos úmidos
Tateando com a língua e degustando
Orelha e no ouvido gemidos verídicos
Fazendo de cada movimento carinhos
Arfando como louca sem destino
Lambendo como afoita menina
Tirando com os dedos mel e palavras
Anelos que aceita como pura fêmea
Espreitando cada nuances do prazer
Seu ser se entrega ao delírio e libido
Arrancando de mim todos os meninos
Unidos em desejos e fantasias rindo
Declarando que é você néctar e vinho
Amassando teus seios contra o peito
Deleite de vontade e luxuriante
Espaço entre nós não existe mais
Somada tua fúria e a calmaria do ar
Depositou teu perfume no ambiente
Elevando cada nota de aroma singular
Lírios, lavanda, hortênsias e rosas
Instigação que faz orgasmos e ruídos
Caminhos elevados e sempre destemidos
Impar contigo e voraz umbigo com umbigo
Oposto que se juntam eu sou teu vagabundo
Suspiro de safada que é mulher e amalgama
Átrio de um ser que me guarde a valer

Ulisses Reis®
04/02/2013

Pimenta com curvas

 Pimenta com curvas

Ela já nasceu quente e ferveu no verão
Ela deixa o meu olhar fixo e desejoso
Com salto agulha anda feito felina
Deslizando a língua nos labios fagulha
Faisca e ascende femeas e machos
Sabe deixar as ancas delineadas perfeitas
Coxas que cercam e firme prendem forte
Conduz toda a beleza com alta dstreza
AS vezes lobinha timida, outra fera e pimenta
Se encosta todoo corpo faz tremer os moços
Mas com pegada firme e puxando a cintura
Senti que esta deixando feromonios voando
E com perfume de mulher inteira arrasando
Nunca foi menos delicosa, cada dia mais gostosa
Usa e abusa da sedução e tem libido em furacão
Uma cintura de fazer virar o pescoço, adoração
Degustar com moderação só um ser sem visão

Ulisses Reis®
12/12/12

Para Caca Pimenta

Minha Michelle

Minha Michelle

Essa mulher é difícil, mas linda
Essa menina veio e eu queria
Pois ela desde sempre me faria
De homem a pai, sentimental
Depois da mãe eu fui quem a viu
Babando e sem fala explodi
Pois plantei uma arvore e sei qual
Sempre a vejo altiva e florida
Depois a minha primogênita
Mimi que tenho orgulho e brigo
Pois sempre disse, seja um degrau
Acima da media, mas foi além
E assim ela sempre teve argumentação
Mas nem sempre é dona da situação
Mas é jovem vai absorvendo e lendo
Minha melhor e chata amiga, filha
Hoje é uma data que não se repete
Mas ouvir de ti que me ama é tudo
E sabes que um dos tres corações
Que carrego dentro do meu, é o teu
Incondicionalmente AMOR perene
Meu amor que carrega meu gene
Minha majestosa por ti meu olhar é solene

Ulisses Reis®
12/12/12

Para Michelle Minha Filha

Verve perene

Verve perene

Não há o que contar pois o perene
Ele sim já se diz e é o do sempre
Então como lhe dizer algo que já
Por algum motivo estava e esta
Que o universo reservou e guardou
Não é repentina e concreta reciprocidade
Ela existe e é muito de verdade
Admiração simples e natural é verve
Almas e sentimentos se tocam
E fluem mesmo distantes errantes
E as coisa iguais também diferente
São como a boa Mineira aguardente
Espirituosa e de facil ingestão
E trás na essência o doce da cana
E faz que deliremos no leito da trama
E o bem querer vem do amago e lacuna
Da esperança e da tua beleza pura
Então Loba da Montanha perene
Tu és fluidez que une a gente

Ulisses Reis®
11/12/2012

Para Simone

Ausente

 
Ausente

Sinto falta dessa menina
Da voz dessa menina que adoro
Que atravessou momentos e tem lirismo
Que nunca foi cartesiana ou plana
Sim ela continua evoluindo humana
Mas algo que se mostra encruzilhada
O destino negro e medonho distancia
E quebra uma magnifica membrana
Sinto tua falta elegante e eloquente
Parece ressaca de muita aguardente
E você me deixa no limpo, mas é coerente
Nunca deixo de sitar tua inteligencia
Me faz falta tua distante impar presença
Ausente peço que simplesmente argumente
Loba que atravessou um corredor
Varias vezes com um livro equilibrado
Não me deixe aqui todo arrepiado
Pois me cativou e em ti sou arraigado

Ulisses Reis®
11/12/2012

Para Loba Guariento

Mel de menina

Mel de menina

Tudo é possível, mas preciso de muita luz
E você vem acrescentar a cada dia beleza
E sabe como ninguém alterar o curso
Escrevendo algo que pode parecer comum
Mas não é, para mim cada palavra anima
E desfila na minha mente calor e carinho
Voce veio e despretencioso, mas linda
Surgiu do nada e na cor da vida vermelho
Salto alto e naturalmente gingando
Doce como o mel e o nectar essêncial
Fez-me acreditar que o Universo cospira
E pode apresentar energia e luz positiva
Num ser que é assim uma menina-mulher
Não deixe que se perca esse teu jeitinho
Pois é magico e muito belo

Ulisses Reis®
09/12/2012

Para Leaozinho

É sim

É sim

Não se pede para ser musa ou não
Marcante e vibrante vem do coração
Teu que procurar demonstrar isso
Mas a visão do errado cúmplice
Tem como denominador a deficiência
Que mesmo com lente de aumento
Não alcança a imagem do cheiro
Que carrega nas noites derradeiras
Onde tua alma só pensa em descer
E as ladeiras da escuridão perdida
Solidão mesmo acompanhada ferida
Sim musa que se faz bandida, não querida
Aos olhos de que te usa lagrimas perdidas
Mude de referencia pense com razão
Pois vale a pena ser do lado pequena
Quando sabes bem que és sim grandiosa
E foi isso que a deixou mais nervosa
Que do teu lado só pode haver vida
Mas quem não respira você bandida
É que não tem vida nem albumina

Ulisses Reis®
28/11/2012

Para Sú

Gata Sú

Gata Sú

Sabe quando um ser encanta
O tempo passa assim na garganta
Com suavidade de mel e sentimento
Deixo a figura de liguem de lado
E assumo que sou suspeito em dizer
Essa mulher é A Gata, que já rouca
Meus sentidos e ouvidos sentiram
Que as vezes parece e dever ser louco
Mas que tem no equilíbrio algo ativo
Que sabe se deixar existir e viver
Que não tem jeito de o cara, mas sim
A bela e sinuosa e a cada dia curvilínea
Que destoa ao andar e se ouvida, faz babar
Então venha pois o convite foi aceito
E de lado e sorrindo ver a vida de virada
Olhando de um ângulo diferente e não obtuso
Mas aberto e na grande angular vislumbro
Que ela nasceu para ser ousada e dar carinho
Eu aqui carente, de unhas e de dentes
De sorriso e dos teus alvos olhares
E quem sabe ganhe os teus braços como
O mais delicioso dos colares

Ulisses Reis®
27/11/2012

Para Sú

Crime e castigo

Crime e castigo

Vou recuperar essa criminosa, linda maravilhosa
Que se priva das emoções de visitar e desvendar
Arte que tanto ama, para deixar que alguém atreva!
Sem emoções finas e capazes de fazer-te rir, reverta
E mesmo assim você diz que estima, mas não a vejo
Sendo uma mulher que goste de ser somente Amélia
Sei que agüenta certas passagens, nem a flor Camélia
Então deixe de ser essa Bandida que gosto atrevida
Sai um pouco de si mesma, mude de posição
E não estou dizendo para ficar em cima dominando
Mas olhe de outra perspectiva, sente na outra cadeira
Observe que esse que não vive, não será você a dar ar
Respirar contigo é um beneficio a poucos, não a tolo
Que te magoa com palavras e não lembra do coração
Que o dele envolveu, lembre o teu coração tem morada
Mesmo que seja assim distante mora no meu coração
Sei que é a bandida e se priva de rir e discutir o conceitual
Aquela arte tão difícil de digerir que parece algo feio
Que não nos diz respeito no momento nem daqui um ano
Se deixar sem ver o que acontece não só numa Bienal
Mas se acredita é destino e nada é mero acaso, sem choro
Perder noite só de carinhos e argumentação dos escritos
Devorar só o que tem gosto de mel e cumplicidade
Deixar fluir e a concentração e aquele que faz arrepiar
Se nada lhe distrai eu vou te fazer sorrir sem parar
Bandida de si mesma vem comigo assaltar a vida
E para emoldurar fotos de tempos em tempos variar

Ulisses Reis®
27/11/2012

Para Sú

Sú unção

Sú unção

Você vai ler e com a própria voz perfeita ouvir
Sempre foi uma inspiração de primeiro, cartas
Sem nome, pois não sabia que a Gata era linda
Também na sabedoria e intelecto ávida
Só vi no começo a esbelta gata em curvas
Mas depois de conversa senti nela a Musa
Que dialogava sobre as coisas do mundo
Nunca essa deliciosa e inteligente foi muda
Tem a dizer não se deixe levar pela beleza
Isso é genético e com destreza usa e abusa
Mas o bom mesmo e quando ela decide
Que vai chegar, marcar e te lambuzar com mel
E deixar para sempre o saber e o perfume
De Gata que cúmplice, se dissolve em carinho
Mas espera não só bondade, mas pulso e verdade
Não quer dependência solitária, busca parceria
E olha ela trás curvas desenhas por uma artista
A natureza no seu mais forte momento
E deixou-a com uma voz que derrete sorvete
Ela é beija-flor que no corpo flutua
E chuva que desce lavando o ser e beijando
A cada sentido ela tem direção e é composição
Que agrega as nuances que me fascinam
Ela é a unção

Ulisses Reis®
28/11/2012

Para Sú